quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

"Consagre ao Senhor tudo o que você faz, e os seus planos serão bem sucedidos"(Provérbios 16:3)


Quem não quer ser bem sucedido? Alguns, em troca disso vendem até a sua alma, inclusive a Deus. Eu sei que num primeiro momento isso pareça estranho, mas, na prática, é exatamente isso que acontece atualmente. Em nome do sucesso algumas pessoas venderam-se ao religioso, aliás, não apenas a si mesmas, mas venderam até os bens que tinham. Em alguns casos, para mobilizar esse tipo de comércio, líderes religiosos valeram-se até do provérbio de hoje. Porém, esse provérbio, nem de longe, tem a intenção de propor qualquer comércio - financeiro ou de troca - com a bênção de Deus. Na verdade, quando o autor fala em consagrar ao Senhor para ser bem sucedido, ele não está falando de troca, mas está falando do resultado positivo daqueles que, em agindo eticamente em seus negócios, relacionamentos, investimentos, assim como o Senhor através da Bíblia os orienta, só poderão ser bem sucedidos. É verdade que, em algumas situações, o exercício da ética, da verdade e da honestidade, acaba que trazendo prejuízos àqueles praticam esses valores, porém, geralmente, aqueles que têm tais valores em sua filosofia de vida, têm uma definição diferente de lucro e prejuízo, por isso, até quando têm prejuízo, a consciência limpa de ter agido corretamente, se torna o lucro real. Mas até casos assim, ou seja, onde há prejuízo financeiro ou de qualquer outra ordem, são difíceis de acontecer com as pessoas que agem sob os parâmetros éticos do Evangelho. Eu digo isso porque aqueles que se apropriaram do Evangelho enquanto procedimento ético-relacional, desenvolvem, ao longo da vida, uma sabedoria diferenciada, que os conduz às negociações e decisões mais assertivas. É claro que tais pessoas não estão completamente isentas de golpes, perdas, assaltos, ou qualquer outro prejuízo, porém, estão menos suscetíveis a eles por conta da prudência que absorveram dos valores bíblicos. Com certeza, você que é leitor assíduo dos Provérbios, deve ter percebido a riqueza de sabedoria que há nesse livro bíblico. Agora, aqueles que remetem a Deus apenas uma relação mercadológica, desprovida de um envolvimento real dos valores que Ele nos ensina, então, por mais que ofereçam tudo o que têm e tudo o que são, por se oferecerem apenas como moeda, com certeza, não serão bem sucedidos. É fato que, às vezes, alguns podem até aparecer e dizer que enriqueceram depois que aderiram a determinado grupo religioso, porém, há um abismo qualitativo-relacional-vivencial-espiritual entre ser bem sucedido e estar bem financeiramente. O primeiro não depende necessariamente do objeto do segundo, ou seja, do dinheiro. Há pessoas muito bem sucedidas enquanto ser humano honesto, íntegro, autêntico, porém, sem um centavo na conta bancária. Da mesma maneira há uma porção de pessoas economicamente abastadas, porém, sem qualquer qualidade de vida, seja esta vida pessoal, familiar ou social. A grande questão é saber se a nossa definição de sucesso é a mesma que a Bíblia expõe em Provérbios e nos demais textos. Outra coisa é saber se nos basta esse tipo de "sucesso" bíblico. Isso parece simplista, não é verdade? Pois é, o Evangelho é realmente muito simples. Tão simples que, nesse tipo de assunto, alguns acham-no absurdo. Mas, para aqueles que o reconhecem, o sucesso sempre está acessível. Pense nisso!
Bom dia a todos!
Com carinho e amizade,
Pr. André Luís Pereira

Nenhum comentário:

Postar um comentário